PlayStation 3 Super Slim de 12GB - Análise

Pode o PS3 original da Sony carregar jogos mais rápido que os modelos de disco rígido? A Digital Foundry apresenta a sua análise profunda.

O PlayStation 3 Super Slim pode não nos ter impressionado muito quando o vimos na sua versão de 500GB, mas ficamos entusiasmados com o seu futuro potencial - especificamente, a capacidade de oferecer uma experiência completa a um preço muito baixo. O novo modelo era simplesmente muito caro, quando o velho Slim oferecia melhor qualidade de construção pelo mesmo preço, mas após o Natal, um PS3 de 12GB ficou disponível por menos de 120 euros. Agora isso é um valor soberbo com o qual simplesmente não podemos discutir.

Historicamente, é a presença do disco obrigatório que tem sido um fator principal no preço relativamente alto do PS3 comparado com o concorrente Xbox 360 sem disco. Tradicionalmente, os discos não tendem a descer de preço dramaticamente - a capacidade simplesmente aumenta. Em cima disso, os planos da Sony para redução de custos foram contrariados pelo desastre ocorrido na Tailândia, que afetaram a produção de discos e duplicou os preços em todo o mundo em semanas - até hoje, os discos estão mais caros do que antes da crise. O modelo de 12GB aborda todos estes problemas: substitui os caros drives mecânicos por memória flash, que por sua vez, viu os preços diminuírem nos últimos dois de anos.

Inicialmente, acreditou-se que a Sony simplesmente ganhou acesso a um inventário de discos de pequena capacidade e os iria enviar no espaço tradicional do disco do PS3, onde poderia ser substituído por qualquer disco de 25", portanto a maior surpresa talvez que recebemos ao receber a nossa unidade de 12GB foi a completa ausência de uma entrada de expansão. Por outro lado, isto é uma boa notícia - passar para um disco rígido seria rápido e indolor. Por outro lado, sem nenhum arranjo SSD, significa que a Sony integrou um simples módulo flash na placa mãe - e como qualquer um com experiência em drives USB flash sabe, velocidades de leitura e escrita variam muito de um chip para o outro.

A questão é, até que ponto o modelo de 12GB é uma versão comprometida dos modelos equipados com discos rígidos? O armazenamento flash é rápido o suficiente para igualar o ritmo do disco rígido? E olhando para as coisas mais positivamente, será que a remoção de quaisquer partes mecânicas removíveis aumenta mesmo as velocidades? É um pensamento interessante, mas o potencial existe, e o PS3 de baixo custo realmente ultrapassa as versões mais caras.

"Sem aparelho de armazenamento de disco rígido, desmontamos o PS3 de 12GB para descobrir os seus segredos - como, por exemplo, o fato de o mesmo ter um chip flash de 16GB."

Intrigados, decidimos descobrir mais, e isso significou confrontar o modelo de 12GB contra toda a variedade de concorrentes: primeiro, o disco oficial de 250GB - que suspeitamos fortemente tratar-se do mesma drive no modelo mais barato na América do Norte. Não existe nada realmente assinalável quanto a este produto em si. É um drive 7mm high 2.5-inch Hitachi Z5K500-250 instalado numa entrada, que encaixa perfeitamente no novo PS3. A atualização é indiscutivelmente cara, mas nada impede você de simplesmente comprar seu drive e um adaptador em separado. Ou pode simplesmente colocar o drive na entrada com fita adesiva e esperar pelo melhor, se gosta de assumir riscos, é claro.

O nosso próximo teste é com o Super Slim 500GB, que nos dá uma comparação frente a frente entre os dois principais modelos Europeus. Este modelo tem o drive Hitachi Z5K500-500, aparentemente mais volumoso. Para terminar as nossas análises, usamos um SSD de 128GB, natural da interface do PS3 (nem tanto o velho padrão SATA-2 mas mais a sua falta de escritas/leituras sem buffer) impede o uso de todo o poder dos tempos de escrita/leitura de um SSD mas tem os benefícios do acesso instantâneo em cada arquivo, oferecendo uma valiosa vantagem. Resumindo, com o nosso alinhamento cobrimos todas as ofertas oficiais da Sony, colocando-os frente a frente contra o máximo de performance de escrita/leitura que o PS3 é capaz.

Testando o PlayStation 3 de 12GB

Primeiro, bom para a Sony por não tornar muito caro o PS3 de 12GB. O chip dentro do novo modelo - o Samsung NAND idêntico ao usado no Kindle Fire HD - tem na verdade 16GB de espaço, mas apenas 12GB ficam disponíveis para o usuário ( a Microsoft deveria anotar isso). O equilíbrio é agrupado pelo SO de jogos do PS3, usado extensivamente por programadores para guardar dados enquanto joga. Não encontramos tal partição escondida no Xbox 360S 4GB e a performance é afetada, se não instalar um disco rígido.

Os 12GB disponíveis são mesmo apertados, mas deve conseguir instalar um jogo físico no sistema. Após a questão do espaço disponível, a performance é o próximo real problema. Rodamos testes em vários jogos: a instalação de Gran Turismo 5 é lendária. Uma multiplicidade de pequenos arquivos são transferidos em massa, tornado-o talvez no mais pesado trabalho de instalação disponível. Em seguida, Rage da id Software - uma demorada instalação, mas que também oferece o teste de stress in-game mais forte que conseguimos em todas as nossas quatro cobaias.

Os nossos dois jogos finais ocupam dois extremos. Just Cause 2 da Avalanche oferece uma pequena, leve, inteligente abordagem ao disco rígido enquanto Tom Clancy's Endwar é precisamente o oposto - de uma era na qual os programadores da Ubisoft simplesmente copiavam todo o disco Blu-ray para o disco rígido para evitar streaming do disco.

Após instalar tudo, apagamos tudo e medimos o tempo que foi preciso, por razões que vão se tornar evidentes mais tarde. Vamos ver como ocorreu.

"O chip flash Samsung no PS3 de 12GB está desenhado principalmente para uso em aparelhos móveis. No PS3, achamos que atua bem contra os modelos de disco rígido."

Testes de instalação e eliminação de dados no PS3 de 12GB, contra o de 250GB, um Super Slim de 500GB e um SSD de 128GB. Apesar das velocidades de leitura/escrita serem mais lentas, o modelo de 12GB tem uma boa performance - até chegarmos à eliminação de dados.

Descobrimos que a Sony optou por um chip embutido ao invés de um drive SSD, tememos o pior, mas em termos gerais a unidade de 12GB tem uma boa performance, ultrapassando nossas expetativas. Em termos de velocidades de escrita, é significativamente mais lento que os discos rígidos, mas tem o benefício de tempo zero de procura - os discos rígidos mecânicos precisam mover-se na superfície, enquanto o chip flash move-se de imediato. No caso do BD e da instalação de GT5, que escreve centenas de pequenos arquivos do disco rígido, o flash tem mesmo uma melhor performance que os discos rígidos mecânicos, cortando perto de 10 minutos à gigantesca transferência. No entanto, no resto, com tempos mais prolongados de escrita, o chip flash ficou um pouco pior - mas não desastrosamente.

Para uma ideia das velocidades de leitura/escritas, ligamos um disco rigido USB a cada um dos sistemas e copiamos um arquivo de vídeo com 454MB para o console. Os discos rígidos e o SSD tiveram resultados similares - escrita de 12MB/s, leitura de 13.5MB/s. Em contraste, o módulo flash ficou um pouco pior em termos de velocidade de escrita com meros 6.1MB/s. No entanto, as velocidades de leitura foram competitivas, registradas nos 12.5MB/s.

Claro, o grande problema, se assistirem o vídeo até ao final são os tempos lentíssimos de eliminação. Liberar espaço do chip flash demora anos, ao ponto de durar 9 minutos para apagar a instalação de Rage, com o SSD demorando apenas 16 segundos e nos discos rígidos precisam de menos de 60 segundos para tal.

Se não tem vontade ou interesse para ver nosso vídeo, aqui estão todos os dados numa grande tabela. Demonstra de forma conclusiva as forças e fraquezas do modelo mais barato.

"Velocidades de eliminação no PS3 de 12GB são o seu Calcanhar de Aquiles - podem ser chocantemente lentas."

12GB PS3 Disco rígido 250GB 500GB PS3 128GB SSD
Instalação de GT5 35:40 43:28 46:29 27:37
Instalação de Rage 20:44 17:18 17:19 17:22
Instalação de Endwar 13:49 11:43 12:18 12:12
Instalação de Just Cause 2 02:33 02:13 02:14 02:14
Eliminação de GT5 10:45 04:46 05:18 02:24
Eliminação de Rage 09:15 00:51 00:18 00:16
Eliminação de Endwar 06:19 00:40 00:52 00:38
Eliminação de Just Cause 2 01:25 00:07 00:03 00:03

Desempenho nos jogos

A referencia de velocidade de leitura do chip flash significa que em quase todos os casos, não existe nenhuma diferença em jogar numa unidade de 12GB do que em outra. Na verdade, em alguns casos, a performance pode ser até melhorada. Carregamos uma corrida em GT5 - um jogo conhecido por beneficiar de significantes melhorias na velocidade num SSD - e descobrimos que apesar dos discos rígidos demorarem perto de 40 segundos para carregar os dados necessários, o PS3 de 12GB cortou isso em 50%, demorando apenas 30 segundos.

No entanto, o verdadeiro teste é Rage. A tecnologia Megatexture da id precisa de tempos rápidos de procura - quanto mais rápido melhor. Os discos rígidos tem problemas com ela, resultando em texturas obviamente em baixa resolução que se esforçam para passar para versões de maior resolução sem qualquer atraso extraordinário. Aqui, passar para um SSD transforma absolutamente a experiência, minimizando o efeito pop-in de texturas e melhorando significantemente o aspeto do jogo.

Neste caso, descobrimos que o modelo de 12GB atua num intermédio entre a performance do disco rígido padrão e o SSD. As texturas resolvem mais rapidamente e o horrível efeito de ver um trabalho de arte pixelizado passar para as suas versões de maior resolução é um problema bem menor. No entanto, a performance quase instantânea do SSD continua com falhas, mas a melhoria geral é perceptível, como este vídeo demonstra.

"Rage da id Software é o mais exigente teste de performance in-game que podemos fazer e o PS3 de 12Gb tem uma boa performance."

Rage é um dos poucos jogos que tem um imenso benefício na instalação num SSD. Achamos que existem melhorias aqui com o módulo flash do PS3 de 12GB também. Para terem o melhor deste vídeo, escolham por favor a qualidade 720p.

Melhorar o PlayStation 3 de 12GB

A boa notícia é que melhorar o PS3 de 12GB é canja. Simplesmente compre o kit de montagem, parafuse qualquer disco rígido de 2.5" e insira no console. Após iniciar a máquina, ela auto-reconhece a presença do novo disco e o usuário escolhe guardar seus dados do flash para o disco rígido.

Nesta altura, todo o chip flash é copiado para o disco rígido num procedimento demorado. Tínhamos apenas quatro pequenos dados de jogo mas o processo demorou perto de 15 minutos para completar (nossa opinião é que a porção de 4GB de cache também foi copiada). Assim que a transferência termina, o espaço flash é desativado completamente, usado apenas se o disco rígido for completamente removido do sistema.

Fora o fator tempo, existe um par de desapontamentos e aborrecimentos com o processo. Antes do lançamento do Super Slim, houveram comentários que poderíamos tirar seu existente disco do PS3 e inserir no novo console, continuando o jogo normalmente. Agora vemos que este não é o caso - qualquer disco que não esteja especificamente casado com o PS3 vai ser apagado antes de ser usado. Isto provavelmente seria de se esperar, tendo em conta que os discos rígidos do PS3 estão todos encriptados com uma chave por unidade.

Segundo, com o espaço flash adormecido, parece uma oportunidade perdida. É claro que o chip tem as suas forças e em alguns casos pode ter melhor performance que um disco rígido convencional. O Xbox 360S 4GB permite aos jogadores manter acesso à memória flash e usar em simultâneo com o disco rígido, e gostaríamos de ter a mesma função no PS3. Infelizmente, o GameOS é gerado para um único ponto de armazenamento e, é claro, que a sony não quis tomar o significante trabalho de desenvolvimento necessário para suportar múltiplos aparelhos.

"Todos os dados do chip flash são automaticamente copiados para qualquer disco rígido que adicione, tornando fácil aumentar o espaço disponível."

No resto: o mesmo velho Slim

Como dissemos no nosso teste ao Super Slim de 500GB, este é um PS3 desenhado mais simplesmente com materais de menor qualidade do que o anterior. Plásticos sem o acabamento premium, enquanto o drive Blu-ray foi trocado de lugar por um carregamento no topo com uma tampa deslizante. Devido à transição para drives ópticos, o nível de ruído do disco é agora significativamente maior. O fator forma é no entanto obviamente reduzido - um elemento importante para muitos.

Sabemos agora que outras áreas principais de custo não tiveram melhorias comparado com o Slim anterior - existe no mesmo um processador Cell de 45nm e um RSX de 40nm. São estes os componentes que tiram mais poder dos principais, portanto achamos que o consumo geral é basicamente o mesmo que era perto dos 70W. Convém que isto mude com o tempo - sabemos que o Cell vai ser encolhido para 22nm enquanto 28nm é um bom tamanho para o RSX. Futuros modelos RSX vão sem dúvida reter a mesma carenagem mas vão ter melhor resfriamento, vão ser mais silenciosos e mais eficientes no consumo.

No entanto, crucialmente, a qualidade inferior dos materiais no novo modelo não diminui o fato que ele oferece a mesma funcionalidade central que o velho Slim. Todas as entradas permanecem como estavam, portanto em áreas onde a Sony pode ter tentado fazer cortes (removendo a saída de áudio Toslink por exemplo), achamos que a mesma se restringiu recomendavelmente.

Launch Slim

O que acontece com a saída HDMI 'diferida' que temos nos mais recentes PS3s? Os valores RGB flutuam ligeiramente - algo que não vemos nos PS3s originais. Apesar de ser estranho ter um sinal sem perda não operando como deveria, o olho humano não distingue a diferença.

Launch Slim

O que acontece com a saída HDMI 'diferida' que temos nos mais recentes PS3s? Os valores RGB flutuam ligeiramente - algo que não vemos nos PS3s originais. Apesar de ser estranho ter um sinal sem perda não operando como deveria, o olho humano não distingue a diferença.

Launch Slim

O que acontece com a saída HDMI 'diferida' que temos nos mais recentes PS3s? Os valores RGB flutuam ligeiramente - algo que não vemos nos PS3s originais. Apesar de ser estranho ter um sinal sem perda não operando como deveria, o olho humano não distingue a diferença.

Launch Slim

O que acontece com a saída HDMI 'diferida' que temos nos mais recentes PS3s? Os valores RGB flutuam ligeiramente - algo que não vemos nos PS3s originais. Apesar de ser estranho ter um sinal sem perda não operando como deveria, o olho humano não distingue a diferença.

Também há outros elementos do novo modelo que permanecem iguais. O Slim introduziu um novo controle HDMI que adicionava um ligeiro ruído ao sinal - algo que notamos há muito tempo quando o usamos para análises de performance de jogos. É o mesmo Super Slim. É um pouco desconcertante descobrir uma interface de vídeo digital que não transmite o seu sinal sem perda de qualidade, e alguns membros das fraternidades AV mais fanáticos acreditam que é visível ao olho humano, algo com o qual não concordamos - portanto testamos isto. Pegamos uma série de imagens RGB 24-bit 1080p sem perda de Daytona USA rodando num modelo do PS3 original, depois usamos o photo viewer para as apresentar no mesmo console, e no Slim. Pensamos aqui que a arte 2D e cores achatadas no jogo iriam se destacar de qualquer tipo de diferença visual, enquanto o uso do photo viewer assegurava que ambos os consoles estão apresentando a mesma imagem matematicamente idêntica, reproduzida exatamente da mesma forma por programas de sistema.

Podemos ver os resultados em cima. Após muita inspeção, não vemos diferenças, e como tal não temos qualquer hesitação em recomendar o PS3 como um brilhante leitor Blu-ray. Na verdade, para os que usam o seu console como streamers de mídia e leitores Blu-ray, o PS3 de 12GB é uma escolha óbvia.

O PS3 Super Slim de 12GB: o veredicto da Digital Foundry

Este poderia ter sido um exercício de corte de custos levado para muito mais longe, um compromisso levado para um território que historicamente a Sony tinha a tendência de ficar em último lugar no que diz respeito ao equipamento. O fato do PS3 de 12GB não estar disponível no Japão ou EUA sugere que todo o peso da confiança da companhia não está na oferta mais barata, mas a verdade é que o produto é sólido, oferecendo um intrigante equilíbrio de preço e performance.

O armazenamento flash lê quase tão rápido quanto um disco rígido convencional, e apesar dos tempos de escrita serem muito lentos, o fato é que sua latência é muito pequena ao passar de um arquivo para o outro, compensando em muito essa diferença. Uma coisa que devemos destacar é que todas as nossas comparações foram baseadas em discos rígidos completamente vazios - estes vão perder alguma performance com o tempo ficando mais cheios, onde a fragmentação se apodera. Então, o flash pode mesmo tornar-se ainda mais competitivo com os meses e anos. Mas mesmo nestes testes, descobrimos que alguns jogos carregam seus dados mais rápido, apesar das velocidades de eliminação do espaço flash serem desanimadoras - e a falta de espaço disponível, significa que os usuários vão apagar dados frequentemente.

Espaço disponível é indiscutivelmente apertado levando à outras complicações. No Xbox 360, assim que um jogo ou demonstração é descarregada da Live, está instantaneamente acessível. Na PSN precisamos que o sistema receba o arquivo para depois o instalar, precisando do dobro do espaço. A realidade infeliz aqui é que os downloads de jogos da PSN - incluindo a maioria da excelente Coleção de Jogos do PlayStation Plus - não vão funcionar no modelo de 12GB.

Nesta altura da escrita, a unidade estava um pouco cara, em torno de 170 euros, mas os preços claramente flutuam e se conseguir um em promoção, terá um valor soberbo para os novatos no PS3 ou para os que procuram um console secundário.

Leia nosso sistema de pontuação

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela sua contribuição!

  • Carregando...