Brasilgamer.com.br

The Order: 1886 - Análise

Um título que revela um potencial gráfico sensacional.

The Order: 1886 possui muitas cenas cinematográficas dignas de um filme de Hollywood e gráficos soberbos.

The Order: 1886 é um dos primeiros jogos exclusivos que chegam em 2015 ao PS4 e a expectativa em torno desse título foi crescendo a cada dia, onde nas últimas semanas o jogo, foi literalmente, um dos títulos mais noticiados na imprensa especializada. Agora é hora de encararmos todos os fatos e acabar de vez com qualquer tipo de dúvida, além disso, é claro, vamos descobrir também se todo esse hype realmente valeu a pena.

Em The Order: 1886 os jogadores vão conhecer uma nova Londres, na era Vitoriana, numa história alternativa na qual os avanços tecnológicos vão mais além do que conhecemos na realidade. Iremos entrar na pele de um cavaleiro de uma ordem antiga que irá enfrentar um grande mal e navegar também por locais reais inseridos em um mundo alternativo.

O enredo basicamente retrata a humanidade dividida em pequenos grupos "geneticamente modificados" com traços animalescos, semelhantes às criaturas mitológicas, que começam a mudar o curso da história. Séculos depois, ninguém menos que os cavaleiros da Távola Redonda do Rei Arthur decidem lutar contra essas criaturas para salvar o mundo. Durante as lutas, os guerreiros descobrem uma poção chamada "Black Water", que cura as feridas sofridas em combate e retarda o processo de envelhecimento.

Durante o século 19, os inimigos estão ganhando a guerra, mas a revolução industrial tende a mudar. É aí que o jogador, vesti as roupas de Sir Galahad, um homem que dedicou grande parte de sua vida ao serviço britânico. Os protagonistas do jogo são parte da Ordem dos Cavaleiros, um pequeno círculo de lutadores especiais. Esses cavaleiros são soldados treinados e prometeram proteger a raça humana, custe o que custar.

Após relembrarmos o enredo do jogo é hora de iniciarmos nossa aventura. The Order: 1886 se trata de um jogo de tiro em terceira pessoa, que deseja alcançar no console da Sony o mesmo sucesso que Gears of War alcançou no console da Microsoft. No entanto, assim como Gears of War, o jogo não quer apenas inserir o jogador em uma mecânica em terceira pessoa, mas também garantir cenas com uma boa atmosfera, narrativa e ótimos diálogos que ocorrem durante as cenas cinematográficas para que o jogador possa respirar um pouco entre um tiroteio e outro. E podemos dizer que The Order: 1886 possui muitas cenas cinematográficas dignas de um filme de Hollywood.

O jogo da Sony apresenta uma riqueza visual incrível. Eu fiquei de boca aberta com os gráficos que o jogo apresenta. Essa Londres vitoriana é extremamente elaborada e os detalhes da época, seja nos cenários, armas, ou nos personagens é realmente fantástico. A sala de reuniões dos Templários que visitamos logo no inicio do jogo mostra uma riqueza de detalhes impressionante. Mais adiante vamos passar por corredores sombrios, ruas inundadas pela chuva e vários ambientes que mostram o verdadeiro potencial do PS4.

Vídeo do gameplay de The Order: 1886

Mas um jogo não se vende apenas pelo aspecto gráfico. O tempo de jogo, que tem sido motivo de várias especulações durante as últimas semanas, foi um dos pontos que levei em consideração nessa análise e, durante nossos testes, alcançamos a marca de 7 horas com a campanha principal na primeira vez. Esse tempo foi alcançado com os padrões originais do jogo, ou seja, os jogadores que optarem por um modo mais fácil podem com facilidade bater essa meta, isso porque o modo normal não oferece um digno desafio. O jogo é bem fácil e aumentar o grau de dificuldade vai exigir um pouco mais do jogador (só um pouco), por isso, a longevidade pode ser um ponto negativo em The Order, principalmente na falta de um componente multiplayer.

A IA não mostra agressividade nos tiroteios e muitas vezes os oponentes se aproximam sem esbossar nenhuma reação. Os inimigos também tendem a sair com frequência da cobertura para facilitar a nossa vida. O fator estratégia existe aqui, mas é muito pouco utilizado. Você pode levar tiros com mais facilidade em ambientes estreitos, mas isso não dificulta em nada o nosso progresso. Outras mecânicas são mais exigentes. No modo furtivo, por exemplo, basta sermos vistos uma única vez para sermos eliminados, dessa forma, somos levados a diversas tentativas e erros - o que pode ser frustrante às vezes. Os minigames estão presentes e não são tão exigentes assim, mas o charme do jogo, apesar de não ser uma novidade, é o sistema bullett time.

The Order: 1886 também oferece os tradicionais Quick Time Event (não exageradamente) e temos que concordar que eles são irresistíveis. Durante algumas lutas, somos orientados a olhar para um determinado local antes de pressionarmos o botão indicado e, até mesmo, somos orientados em como podemos transformar objetos do chão em armas letais. É uma mecânica que realmente fez diferença no título.

É nítido que a Ready at Dawn se esforçou em nos entregar um jogo incrível, no entanto, The Order: 1886 possui pontos negativos e positivos. Os gráficos são realmente a grande referência do jogo, mesmo observando pequenas falhas como não ver a imagem do personagem refletida em um espelho, por exemplo. Mas também podemos citar como pontos negativos a longevidade (na minha opinião) e o nível de dificuldade que é realmente fraco e frustrante em determinados momentos.

Se considerarmos o impacto artístico, o enredo e os diálogos, o jogo realmente impressiona. Agora como as cenas em computação gráfica ocupam muito tempo do jogo, sua longevidade é questionável, por outro lado, pode até ser aceitável por diversos jogadores que buscam um jogo de qualidade independente do preço ou de quanto tempo ele dure.

Com isso digo a todos os interessados nesse jogo exclusivo para o PS4, que The Order: 1886 é uma experiência recomendada. Eu confesso que no início do teste achei que o título me surpreenderia mais, mas o jogo peca em alguns aspectos que, infelizmente, impediram que o título da Ready at Dawn alcançasse uma expectativa maior. Mas isso não impede, de forma alguma, que a mesma equipe evolua com os erros e nos entregue uma sequência brilhante em um futuro não muito distante. É apenas o início de uma franquia, que vai conquistar milhões de fãs ao longo do tempo.

The Order: 1886 - Análise Christian Donizete Um título que revela um potencial gráfico sensacional. 2015-02-19T11:01:00-02:00 4 5

Comentários (54)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela sua contribuição!

  • Carregando...