Assassin's Creed 4: Black Flag - Análise

A "Era de Ouro da Pirataria" vai começar.

No começa as batalhas navais são empolgantes, mas depois de um tempo toda a mecânica se mostra repetitiva.

Versão testada: Xbox 360

Assassin's Creed é sem dúvida o grande título da Ubisoft, um jogo anual que vende milhões de cópias e que neste ano chega para atual e nova geração de consoles. Sendo assim, a missão da Ubisoft é sem dúvida muito grande em Assassin's Creed IV: Black Flag, já que tem o objetivo de migrar um dos títulos de maior sucesso da empresa para o PS4 e Xbox One, mas sem decepcionar os fãs que estarão por algum tempo com o jogo na geração atual.

Para isso a Ubisoft optou por inserir um novo protagonista conhecido como Edward Kenway, um jovem britânico sedento por perigo e aventura que deixa a posição de corsário da Marinha Real para cair na pirataria assim que a guerra entre os grandes impérios chega ao fim. Edward é um pirata feroz e experiente lutador, que logo se vê envolvido na antiga guerra entre Assassinos e Templários. O jogo nos levará para uma viagem pelas Índias Ocidentais durante um turbulento e violento período, que depois ficaria conhecido como a Era de Ouro da Pirataria.

Apesar dessa decisão o herói estará realmente envolvido na velha guerra entre os Templários e Assassinos, trazendo todos os seus herdeiros para entrar no projeto Animus como podemos presenciar também em Assassin's Creed 3. Dessa forma, tudo acontece nos mares do Caribe, que na verdade, é um terreno fértil para os desejos de expansão e controle dos Templários, que, naturalmente, irão enviar seus agentes para tentar controlar os conflitos diários entre Ingleses e Espanhóis, além de focar os esforços destes dois países no objetivo comum de esmagar os poucos piratas que operam na área.

Essas batalhas cruzam com Ben Hornigold (cavalheiro pirata), Anne Bonny (a primeira mulher pirata), Barba Negra (um homem que entendia o valor de uma reputação baseada na violência e medo), Calico Jack e Charles Vane. Já os eventos contam fatos históricos reais como um ataque a uma frota de navios portugueses, a destruição da armada espanhola e o naufrágio de Charles Vane.

Mais sobre Assassin's Creed 4: Black Flag

Embora no começo, toda a estrutura se mostrar idêntica aos jogos anteriores, a Ubisoft deixa claro que prestou muita atenção aos comentários dos jogadores, com o intuito de corrigir todos os aspectos dos jogos já lançados, concentrando todas as sua atenções nos elementos mais questionados e buscou evoluir todos esse pontos para trazer uma experiência mais fluída e satisfatória.

O flashback que traz o passado de Edward e também todas as novas mecânicas do jogo são inseridos de uma forma muito discreta, devido o desenrolar da aventura, que em nenhum momento interrompe a narrativa. Até mesmo outras missões presentes no jogo foram redesenhadas de forma a serem menos frequentes e mais divertidas. Uma saída inteligente.

Vale lembrar que a vida em alto mar não será nada fácil. Será necessário administrar muito bem a tripulação, que vai morrer com frequência durante os combates navais, além das perigosas tempestades tropicais que iremos enfrentar. Para isso teremos nosso telescópio que vai nos dar informação sobre os navios inimigos, suas capacidades de carga e seu poder de fogo, onde depois podemos decidir se iremos enfrentar o mesmo ou não.

As batalhas navais trazem a fórmula que nos foi apresentada em Assassin's Creed 3 e vamos precisar utilizar diversas armas presentes em nosso barco para efetuarmos uma boa briga. Teremos canhões, morteiros e até barris em chamas, tudo para tornar a vida do adversário o mais difícil possível e conseguir acumular toda a recompensa necessária a bordo da embarcação inimiga. No começo isso tudo é fantástico e salta aos nossos olhos, mas depois de um tempo toda a mecânica se mostra repetitiva e tudo começa a se tornar entediado.

"A Ubisoft se dedicou muito para ambientar o jogo nessa atmosfera pirata, caracterizando muito bem Black Flag com danças da época, canções e músicas tradicionais."

Gameplay Dublado de Assassin's Creed IV: Black Flag

Isso faz com que busquemos outras atividades secundárias, tais como a pesca de tubarões e baleias. Vamos também procurar por baús de tesouros seja em alto mar ou enterrados em terra firme, tudo para variar um pouco. No entanto, essas atividades servem como um objetivo para alcançarmos atualizações no jogo, já que a caça, pode nos oferecer materiais para execução de novos trajes. Haverá outras explorações em aldeias e ruínas, que oferecem baús de tesouros e garrafas com mensagens misteriosas, além de medalhões que desbloqueiam trajes especiais. Todo o nosso progresso é mostrado no mapa, onde vamos descobrindo os segredos do Caribe e desbloqueando novas missões.

A Ubisoft se dedicou muito para ambientar o jogo nessa atmosfera pirata, caracterizando muito bem Black Flag com danças da época, canções e músicas tradicionais, reformulando vários elementos para oferecer novas formas de diversão, porém não deixou de cometer alguns deslizes, principalmente com a Inteligencia Artificial do jogo, que flui de uma forma menos eficiente.

O modo multiplayer ocorre de forma inalterada em relação ao jogo do ano passado, sofrendo algumas melhorias e também alguns ajustes. Não temos batalhas navais no modo multiplayer conforme já mencionado por Tim Browne. "Achamos que as batalhas navais seriam interessantes no multiplayer, mas tentamos fazê-la e, por enquanto, é tecnicamente impossível." Além de problemas técnicos, Browne também mencionou um pouco de adaptabilidade na fórmula do contexto multiplayer: "É no mar que teremos grandes batalhas. No modo multiplayer queremos ser o melhor de todos os outros participantes. mas não pilotando um navio e usando os canhões para afundar uns aos outros."

Podemos dizer sem sombras de dúvida que Assassin's Creed IV: Black Flag oferece melhorias em sua jogabilidade, e mesmo mostrando uma IA menos eficiente e trazendo batalhas navais que se tornam um pouco entediantes com o tempo, Black Flag ainda é um jogo altamente recomendado e, esses problemas citados nesta análise podem muito bem desaparecer na chegada do título para a nova geração de consoles, pelo menos boa parte deles.

9 / 10

Leia nosso sistema de pontuação Assassin's Creed 4: Black Flag - Análise Christian Donizete A "Era de Ouro da Pirataria" vai começar. 2013-11-04T09:00:00-02:00 9 10

Comentários

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela sua contribuição!

  • Carregando...