Brasilgamer.com.br

Sniper: Ghost Warrior 2 - Análise

Preparado para entrar na pele de um sniper?

Entre os vários jogos de tiro temos a nossa disposição diversos tipos de armas como pistolas, rifles, metralhadoras, lancha-foguetes e também armas de precisão que ficam sobre o comando dos snipers. Pois é essa a grande sacada de Sniper: Ghost Warrior 2, colocar o jogador no papel de um atirador de elite que tem como principal função derrubar seus oponentes sem ser notado.

Sniper: Ghost Warrior 2 nos coloca na pele de um membro de um esquadrão de elite que vai cumprir várias missões ao longo de sua jornada. Em nossas missões devemos utilizar o método furtivo ao máximo. Ser descoberto implica em um confronto ao qual não podemos vencer e a morte é certa. Isso é uma das coisas que realmente me chamou a atenção e que promove uma jogatina planejada.

Para isso o jogo exige uma certa precisão do jogador e também muita cautela, afinal são elementos preciosos para um bom atirador. Temos alguns recursos como visão térmica que auxilia nosso trabalho, além de um binóculo que também utiliza o mesmo recurso. A trajetória da bala também é influenciada com o vento e se torna um elemento fundamental ao qual não podemos deixar de lado. Outro ponto interessante é em relação ao campo de visão dos inimigos.

Por exemplo, derrubamos um inimigo que está no campo de visão de outro bem naquele momento. Isso vai alarmar o outro e com certeza estaremos fritos. Isso evita que possamos sair atirando em tudo que encontramos pelo caminho. Quando derrubamos o último oponente no campo de ação, temos uma visão que mostra a trajetória da bala saindo da arma até o alvo, fazendo com que saibamos que a missão está concluída.

PlayStation 4 Pro - Análise

Porém o movimento furtivo também funciona em combates corpo-a-corpo, onde podemos surpreender um oponente com uma faca, mantendo o mesmo pensamento já citado antes em relação ao campo de visão dos demais inimigos. Em outros momentos que disparamos contra um inimigo que está acompanhado (apenas dois) nosso companheiro nos dá cobertura e elimina o segundo oponente. Tudo isso faz com que o jogo se torne interessante. Porém nem tudo é positivo em Sniper: Ghost Warrior 2.

Quem é adepto a jogos FPS fatalmente vai fazer alguma comparação com outros jogos de tiro como Call of Duty e Battlefield, por exemplo. E é nessa comparação que Sniper 2 perde completamente sua identidade.

Quando a comparação com os outros jogos de tiro entra em cena a coisa começa a se complicar para o lado de Sniper 2. O enredo do jogo em si não é muito interessante e pode nos fazer perder o interesse em poucas horas de jogatina, onde provavelmente apenas os mais dedicados irão seguir em frente. O visual do jogo, apesar de utilizar o motor gráfico CryEngine 3, deveria mostrar gráficos a altura de grandes títulos FPS, mas não impressiona, e mostra total descompromisso, deixando a sensação de que poderia ter sido muito melhor.

Se não bastasse essa impressão de descomprometimento, os gráficos apresentam problemas que não deveriam acontecer como detalhes de iluminação e texturas, onde até mesmo a tentativa de mudar a visão quando eliminamos o último oponente no campo de ação, que mostra a trajetória da bala, merecia um tratamento mais adequado.

A vegetação é completamente morta, não mostra sinais de vida, é estática. Quando entramos na água, a mesma não mostra nenhuma reação, e quando reage em determinados pontos se mostra completamente ineficaz. Para se ter uma ideia, o nosso companheiro que vai à frente nas missões passa por vitórias régias como se não estivessem ali. As plantas simplesmente não reagem, transpassamos por elas. Outro ponto que quebra o ritmo é em relação aos saves. Cada vez que o jogo salva automaticamente o jogo dá uma leve travada, isso acontece na maioria dos saves e causa um certo desconforto. Pelo menos na versão testada aconteceu muitas vezes.

Sniper: Ghost Warrior 2 - Novo trailer

Outros problemas simples envolvem a sincronia labial e também a falta de detalhes em determinadas partes do cenário. Digamos que o jogo é graficamente fraco, mas poderia ter sido melhor, e teria total capacidade para ser, faltou mesmo um certo compromisso da produtora com o título. Quanto ao modo multiplayer o jogo diverte mas oferece uma pequena variedade de mapas e também não traz nenhum incentivo ao jogador para continuar jogando.

Honestamente Sniper: Ghost Warrior 2 mostra potencial em sua proposta. Oferece furtividade, cautela, uma certa estratégia e também paciência para avançar sem ser notado, sem falar no prazer de estarmos na pele de um sniper. Realmente o jogo peca simplesmente pelo fraco apoio aos gráficos, um enredo pouco interessante e problemas que poderiam ser evitados com um pouco mais de dedicação, afinal, é um jogo que traz boas ideias.

Dessa forma, podemos concluir que os jogadores que desfrutaram de Call of Duty ou Battlefield não vão se encorajar muito, mas se você realmente gosta do simples fato de estar na pele de um sniper, vai encontrar alguma diversão por aqui.

6 / 10

Sniper: Ghost Warrior 2 - Análise Christian Donizete Preparado para entrar na pele de um sniper? 2013-04-23T09:15:00-03:00 6 10

Comentários (1)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela sua contribuição!

  • Carregando...