Chivalry: Medieval Warfare - Análise

Uma batalha épica real com muito sangue na roupa.

Lançado dia 16 de Outubro de 2012, Chivalry: Medieval Warfare traz gameplay online difícil utilizando diversas armas para uma batalha entre 2 times. Pequenos probleminhas gráficos não afetam a jogabilidade nem a diversão do game.

Bravos cavaleiros. Isso é o que define realmente o game. Batalhas entre 2 times diferentes numa gritaria total. Enquanto um time ataca (Agatha Knights) o outro defende (Mason Order). Simples assim. Chilvary se divide em Join Game, Create Game e Training. Mapas bem específicos garantem uma longa jogabilidade. StonesHill, Arena, Battlegrounds, Hillside, Ruin e Dard Forest. Entre os modos de jogo, destaco Team Objective. Sistema de objetivo dinâmico onde cada time possui objetivos específicos para completar durante a batalha. Traz táticas de equipe e estratégia.

Cada mapa possui sua história contando um pouco sobre o motivo da batalha. Conta também, com informações sobre cada time e seus objetivos. Modos de jogo também são específicos para cada mapa.

StonesHill: Team Objective, Free-for-All, Team Deathmatch. Arena: Last Team Standing. Battlegrounds: Team Objective. Hillside: Team Objective, King of the Hill. Ruin: Team Deathmatch. Dard Forest: Team Objective, Free-for-All.

Jogabilidade não é das melhores. É possível controlar o personagem no teclado ou num Joypad (funcionou muito bem no controle do Xbox 360). Enquanto os comandos do teclado ou "LS" no 360 faz o jogador andar (frontal ou lateralmente) e correr (pressionando o "LS"), o "RS" faz o jogador olhar para os lados. Existem vários comandos, que necessitam apenas de apertar um botão para diferentes ataques com as armas. É necessário muito treino para pegar o tempo das armas. Para defender, é preciso acionar o comando na hora exata, caso contrário o jogador sofre uma morte horrível.

Existe uma barra de Stamina, onde vai se esvaziando conforme o ataque do jogador. Ao ficar sem atacar a barra é revitalizada. "Number of Bots" é uma opção para adicionar jogadores controlados pelo computador durante as batalhas off-line. Opção legal são as diferentes visões de câmera para o jogador escolher. 1º Pessoa e 3º pessoa, onde esta última se divide em diferentes ângulos e distância.

armas

Personagens são um show a parte no game. São divididos em 4 classes. Archer (arqueiro), Man-At-Arms (não é o Mentor do He-man. hehe. São soldados especializados em diversas armas), Vanguard e Knight (cavaleiros). Armas são dividias em Primária, Secundária e Especial. 60 armas no total que variam de espadas, machados, bastões e outras novas que vão sendo destrancadas conforme a experiência do jogador. Armas de cerco que variam de catapultas, óleo fervente, balista, tochas para incendiar plantações inimigas são extremamente úteis e legais.

Chivalry: Medieval Warfare foi desenvolvido com a Unreal Technology. Graficamente o game é muito bonito. Detalhes de ruínas, castelos, casas e vilas mostram que a Torn Banner Studios fez um excelente trabalho de estudo para recriar cenários convincentes para batalhas medievais. Personagens foram bem trabalhado visualmente com diversos detalhes nas roupas.

Quer sangue? Isso é o que mais tem no game. A cada golpe o personagem fica com a roupa, literalmente, ensanguentada. É natural que isso aconteça depois de amputar um braço seguido por um degolamento no inimigo. Na opção gráfica é possível aumentar o nível de sangue através do recurso Blood Decal Length. Coloque no máximo para o efeito ficar exagerado e mais real. Lembre-se que isso exigirá mais do PC.

Claro que "nem tudo são flores". Chivalry possui uns bugs incompreensíveis para a atual geração de games. Arme-se com um arco. Utilizando a visão em 3º pessoa e jogando com as teclas 1,2 e 3 no teclado do computador, no meio da jogatina, guarde as armas e troque para atacar com mãos limpas. Ok. Tudo certo. Faça o mesmo jogando com o controle do Xbox 360 e você verá que a arma sumirá das costas do personagem. haha!! Isso é mágica?

Arma dentro do escudo. Câmera que se enfia debaixo do solo. Pixels cruzando dentro do personagens são apenas alguns dos probleminhas gráficos no game.

Outro bug aparece na hora que o jogador é derrotado. Como a câmera se mantém num ângulo fixo atrás do personagem, ao cair morto, o personagem é visto por debaixo do solo. A câmera entra dentro da terra e bagunça tudo. Movimentos durante gritos de guerra também cruzam pixels quando visto em 3º pessoas armado com escudo nas costas do personagem. Ao acender uma tocha, o fogo só aparece na visão em 1º pessoa. Mudar de visão já estraga tudo e o fogo aparece flutuando no meio da tela mega longe de onde deveria estar.

A Torn Banner Studios fez um trabalho muito bom para trazer ao jogador, uma experiência "real". Gráficos bons com excelente efeito de luz e sombra. Ótima textura. Infelizmente, existe muitos bugs gráficos, no mínimo estranhos, que faz o game perder alguns pontos. Com ação voltada apenas para o Multiplayer, Chivalry: Medieval Warfare trás uma jogabilidade que exige treino para não morrer a todo momento. Gritos e muito violência sem censura, com muito sangue no chão, garantem horas de jogatina.

7 / 10

Se não treinar muito, o jogador pode, literalmente, perder a cabeça. Tirando os bugs gráficos é um bom game.

Leia nosso sistema de pontuação Chivalry: Medieval Warfare - Análise Rodrigo Spinetti Uma batalha épica real com muito sangue na roupa. 2013-04-05T13:58:00-03:00 7 10

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela sua contribuição!

  • Carregando...